NASA pode ter detectado vida em Vênus há 43 anos

Por Cloves Roque 20/04/2021 - 13:12 hs

NASA pode ter detectado vida em Vênus há 43 anos
NASA pode ter detectado vida em Vênus há 43 anos

Em setembro de 2020, uma equipe internacional de cientistas anunciou que a atmosfera de Vênus contém a substância fosfina, considerada um sério indicador da existência de vida. A descoberta foi contestada por vários outros pesquisadores.

Em 10 de março deste ano, no entanto, uma nova análise dos espectros da missão Pioneer Venus da NASA, que estudou Vênus na década de 1970, foi publicada na revista científica Geophysical Research Letters .

Nele, pesquisadores americanos confirmaram a presença da fosfina, mas também encontraram outros vestígios do hipotético metabolismo de organismos vivos.

A superfície de Vênus é um verdadeiro inferno, onde as temperaturas podem ultrapassar 470 o C. É absolutamente inóspita até mesmo para os organismos mais extremofílicos da Terra. Mas, no alto da atmosfera venusiana, a pressão é semelhante à do nosso planeta e a temperatura é como a temperatura ambiente.

É nesta zona temperada que alguns cientistas acreditam que os microrganismos podem crescer. Quando a fosfina foi anunciada na zona temperada em 2020, esta foi a primeira evidência séria para apoiar essa hipótese

No entanto, a equipe internacional de pesquisa forneceu dados de equipamentos telescópicos baseados em solo. É muito mais fácil questionar e contestar essas informações do que se os dados fossem obtidos diretamente no local de uma missão espacial. Para tanto, Rakesh Mogul, bioquímico da Pomona Polytechnic University of California, solicitou acesso aos dados do espectrômetro da missão Pioneer Venus.

A realidade é que a fosfina não é garantia de existência de vida. É mais sobre a razão pela qual a fosfina existe e a que ela pode nos levar. Novas missões terão que ser realizadas para explorar a atmosfera venusiana.

A próxima missão desse tipo pode decolar em 2023. Será organizada pela empresa privada americana Rocket Lab.

https://curiosmos.com/